"Nunca me passou pela cabeça matá-lo. É o pai dos meus filhos", declarou a arguida acusada de um crime de homicídio qualificado na forma tentada, juntamente com o atual companheiro e um outro homem, que responde ainda pelos crimes de furto qualificado e ameaça agravada.




"Eu aceitei. Queria era andar protegida, porque estava em pânico", afirmou a arguida, assegurando que nunca falaram em tirar a vida ao seu ex-marido.














Redação / MM