Um tubarão branco de grandes dimensões pode chegar à Europa já este verão, apontam os cientistas. Esta pode parecer uma hipótese longínqua, mas não é inédita.

Basta nadarem para o lado errado”, garante Bob Hueter, cientista chefe da OCEARCH.

Nukumi, uma fêmea com mais de 1.600 quilos e mais de 5,2 metros de comprimento, tornou-se no segundo tubarão branco a ser capaz de atravessar todo o Oceano Atlântico.

Está, neste momento, muito perto do Reino Unido e, se não voltar para trás, poderá rumar aos Açores ou na direção do Mediterrâneo.

O habitat deste tubarão costuma ser a costa Oeste dos Estados Unidos e do Canadá, mas um comportamento pouco comum levou Nukumi, a matriarca de 50 anos, a nadar para Este, acabando por atravessar o Atlântico.

Ela tem vindo a nadar para o leste há cerca de dois meses, desde que deixou a costa dos EUA no estado da Carolina do Norte”, esclarece o cientista-chefe.

Esta espécie migratória marinha raramente atravessa a Cadeia Dorsal Mesoatlântica, uma cordilheira submarina, mas Nukumi fê-lo e continuou a nadar na direção da Europa.

Neste ponto da sua trajetória, Nukumi já cruzou do Atlântico ocidental para o Atlântico oriental sobre a Cadeia Dorsal Mesoatlântica, a divisão entre o oeste e o leste”, explica Bob Hueter da OCEARCH.

A única vez que um grande tubarão branco tinha surgido no velho continente aconteceu, em 2014, quando Lydia, uma fêmea de 4,4 metros, surpreendeu os cientistas ao surgir na costa de Portugal.

A viagem de Nukumi dura há mais de dois meses. Foi encontrada a menos de 3.200 quilómetros da costa britânica e os cientistas garantem que “poderia ter chegado ao Reino Unido”.

Ela é capaz de chegar à costa do Reino Unido. Mas, não poderíamos prever que tivesse esse comportamento, já que tubarões brancos são raros no Reino Unido. Se ela não voltar para trás, poderá rumar às ilhas ou montes submarinos do Atlântico oriental, lugares como os Açores. Ou, então, talvez se movimente na direção da abertura para o Mar Mediterrâneo, por existirem tubarões brancos nessa região”, culmina Bob Hueter.

A comunidade científica acredita que este tubarão branco pode ter feito esta trajetória pouco ortodoxa por estar grávida e ter vindo à procura de águas mais calmas e sem a presença de espécimes machos.

Nukumi é o maior tubarão branco alguma vez marcado com geolocalizador no Atlântico Noroeste pela OCEARCH. Os cientistas acreditam que este animal tem cerca de 50 anos devido às grandes cicatrizes que apresenta.

Este exemplar abandonou a costa da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, a 22 de fevereiro e, desde que foi marcada, viajou mais de 10 mil quilómetros.

A matriarca de 50 anos, atravessou a Cadeia Dorsal Mesoatlântica a 5 de abril e já foi localizada várias vezes desde então.

Nuno Mandeiro