O vice-presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal, Inácio Ribeiro, e ex-presidente da Câmara de Felgueiras, é um dos arguidos no âmbito da Operação Éter, a investigação às Lojas Interativas de turismo, da TPNP, confirmou à Lusa fonte ligada ao processo.

O atual vice-presidente da Comissão Executiva da Turismo do Porto e Norte de Portugal, a TPNP, foi eleito para o cargo a 18 de janeiro deste ano, para um mandato de cinco anos. José Inácio Ribeiro é também ex-presidente da Câmara Municipal de Felgueiras, cargo que exerceu durante dois mandatos, entre 2009 e 2017, tendo a inauguração da Loja Interativa de Turismo daquele município ocorrido no seu executivo.

Para além de José Inácio Ribeiro, são arguidos já conhecidos no âmbito deste processo: Miguel Alves, presidente da Câmara de Caminha, Manuel Moreira, presidente da Câmara de Amares, António Vilela, presidente da Câmara de Vila Verde, Júlia Fernandes, vereadora em Vila Verde, Afonso Barroso, vereador em Vieira do Minho, José Damião Melo, vice-presidente da Câmara de Tarouca, e uma vereadora da Câmara de Mogadouro.

No início de novembro, questionado pela Lusa, o município de Felgueiras informou que ninguém foi constituído arguido e que desconhecia se algum técnico foi ouvido no âmbito deste processo.

A investigação sobre a instalação de Lojas Interativas de Turismo insere-se no âmbito da Operação Éter, mas o Ministério Público decidiu abrir um inquérito autónomo exclusivamente sobre aquela matéria.

Em causa a alegada "imposição", por parte da TPNP, das empresas responsáveis pela instalação das lojas.

Três empresas ligadas a José Agostinho, arguido na Operação Éter, faturaram mais de 2,9 milhões de euros com Lojas Interativas de Turismo em negócios com pelo menos 53 autarquias e a Turismo do Porto e Norte de Portugal.

No âmbito da Operação Éter, o MP deduziu, a 25 de outubro, acusação contra 29 arguidos (21 pessoas individuais e oito entidades coletivas), incluindo o ex-presidente da TPNP, Melchior Moreira, que se encontra em prisão preventiva desde 18 de outubro de 2018.

No âmbito da Operação Éter foram ainda constituídos arguidos Isabel Castro, ex-diretora operacional da TPNP, Gabriela Escobar, ex-jurista daquela entidade turística, Manuela Couto, administradora da agência de comunicação W Global Communication (antiga Mediana), e José Agostinho, da firma de Viseu Tomi World.

A Lusa tentou ouvir José Inácio Ribeiro, mas tal não foi possível até ao momento.