Com o final do estado de emergência, os jornalistas Paulo Salvador, Paulo Bastos, Ricardo Ferreira e Tiago Ferreira vão viajar do interior ao litoral em autocaravanas para captar este acordar da economia e da vida quase normal.

O início desta jornada foi em Paradela, Miranda do Douro.

Aqui, a vida parou. Os animais continuam a pedir comida e também aqui, num ponto extremo do nordeste transmontano, pode não haver dinheiro mas há sempre alguma coisa para comer. É o que a terra dá e a auto-subsistência do mundo rural.

As tascas fecharam, as obras que os portugueses iam construir do lado de lá da fronteira deixaram de ter via aberta: a fronteira, uma canada de terra batida, com uma lomba feita por uma máquina de arrasto, há mês e meio que separa a vida que antes era comum dos dois lados da fronteira.

Paulo Bastos