A GNR apreendeu esta sexta-feira cinco quilos de explosivos que se encontravam no interior de um palheiro agrícola, numa quinta dos arredores de Almendra, concelho de Vila Nova de Foz Côa, disse à Lusa fonte da instituição.

Segundo o major Cunha Rasteiro, chefe da secção de investigação criminal do Comando Territorial da GNR da Guarda, durante uma operação desencadeada por elementos do Núcleo de Investigação Criminal de Pinhel, foram apreendidas «25 velas de goma 2 eco», com a designação corrente de «explosivo plástico», com o peso de cinco quilos.

No mesmo local, a GNR também apreendeu uma espingarda caçadeira e um punhal.

A fonte referiu que os explosivos foram destruídos numa pedreira próxima da quinta onde foram encontrados, «por existir o perigo de poderem rebentar durante um eventual transporte».

O rebentamento foi realizado por uma equipa de inactivação de engenhos explosivos da GNR de Coimbra, após autorização do Ministério Público do Tribunal de Foz Côa.

Cunha Rasteiro disse à Lusa que as investigações desenvolvidas ainda não apuraram «qual a proveniência nem a finalidade da existência de explosivos naquele local».

No entanto, admitiu que este tipo de explosivo, que é utilizado em pedreiras, costuma ser usado «para pesca ilegal», apontando que «relativamente perto da quinta onde foram encontrados correm os rios Douro e Côa».

«A GNR sinalizou dois indivíduos suspeitos, um proprietário agrícola e um antigo empregado e está a proceder a investigações para esclarecer este caso», acrescentou.

Segundo o chefe da secção de investigação criminal do Comando da GNR da Guarda, os explosivos foram apreendidos no âmbito de uma investigação em curso relacionada com posse ilegal de armas.
Redação