Cerca de 300 escolas ou agrupamentos estão sem psicólogo, pois ainda não foi autorizada a abertura de vagas para a sua contratação, revelaram esta quinta-feira à Lusa representantes do Grupo PSISCOLAS.

«O número de agrupamentos que estará este ano lectivo sem serviço de psicologia rondará os 300. Utilizando um intervalo médio de 1200 a 1500 alunos por agrupamento, podemos sugerir que entre 360 mil e 450 mil alunos estão neste momento sem este serviço», afirmou Pedro Teixeira, representante do PSICOLAS.

«A maioria dos psicólogos contratados em anos anteriores para desenvolvimento de projectos nas escolas está, desde 31 de Agosto, desempregada, a aguardar pacientemente e na total incerteza que seja autorizada a abertura de vagas para o corrente ano lectivo».

Os agrupamentos TEIP (territórios educativos de intervenção prioritária) e os agrupamentos com autonomia especial são os únicos que já estão autorizados a contratar psicólogos.

Os representantes do PSISCOLAS Pedro Teixeira, Daniela Gomes, Gabriela Pelicano e Jorge Humberto Costa consideraram que «está em causa o apoio ao desenvolvimento psicológico dos alunos e à sua orientação escolar e profissional, bem como o apoio psicopedagógico às actividades educativas previsto na Lei de Bases do Sistema Educativo».

O Grupo de Profissionais de Psicologia em Contexto Escolar (PSISCOLAS) foi criado na passada sexta feira com o objectivo imediato de «obter respostas claras e concretas» do Ministério da Educação sobre a contratação de psicólogos para o corrente ano lectivo.
Redação / AG