O comandante do posto da GNR de Coruche foi afastado do cargo esta quinta-feira, na sequência de uma investigação desencadeada pela própria Guarda Nacional Republicana, em coordenação com o Ministério Público (MP), confirmou à agência Lusa fonte oficial da corporação.

«Foi uma situação desencadeada, investigada, e as medidas tomadas pela própria GNR, em coordenação com o Ministério Público, para que não restem dúvidas em relação à investigação que estamos a fazer», esclareceu à Lusa o Tenente-Coronel Costa Lima, sem revelar de que é suspeito o comandante do posto.

Outra fonte ligada ao processo adiantou à Lusa que em causa está, pelo menos, uma situação relacionada com uma arma e acrescentou que a investigação, no posto da GNR de Coruche, vai prosseguir na sexta-feira.

O porta-voz da GNR acrescentou que, quando há dúvidas em relação a atitudes ou comportamentos de alguns militares, a Guarda toma as medidas necessárias para que essas dúvidas sejam dissipadas e que se chegue à verdade.

«Nesse sentido, e porque tínhamos dúvidas em relação a uma determinada situação, decidimos tomar esta decisão [afastar o comandante das suas funções] para salvaguardar o bom nome da instituição e para que o comandante possa também defender-se», explicou.

O Tenente Coronel Costa Lima acrescentou que o comandante do posto da GNR de Coruche voltará a assumir as suas funções no momento em que todas as dúvidas se dissiparem.

A investigação decorria há algum tempo e culminou esta quinta-feira com o afastamento do sargento do cargo de comandante do posto de Coruche.
Redação