O investigador e especialista em Fernando Pessoa, Richard Zenith, mostrou-se hoje «altamente surpreendido» por ter ganho o Prémio Pessoa 2012, acrescentando à Agência Lusa ter ficado com a «sensação de ter ganho uma lotaria».

«Sabia que era candidato, mas há muitos candidatos», disse o investigador que é considerado pela crítica o maior especialista na obra de Fernando Pessoa.

«Fiquei com a sensação de ter ganho uma lotaria», acrescentou o investigador norte-americano que vive em Portugal, admitindo ainda que o prémio reconhece os méritos do seu trabalho.

«Mas penso também em muitas outras pessoas mais inteligentes talvez, mais talentosas... bem, mas cada pessoa tem as suas virtudes, as suas qualidades», referiu.

«Para mim, nisso tudo há um merecimento, mas também uma dose de sorte», sublinhou Richard Zenith à Lusa.

Questionado sobre o que se encontra a fazer atualmente, o tradutor e investigador disse estar a «escrever lentamente» uma biografia sobre Fernando Pessoa, não tendo ainda ideia quando fica concluída.

«Trabalho com muito gosto neste projecto, mas, para mim, é muito complicado escrever uma biografia sobre este sujeito porque não tem sangue, não tem paixão por fora, é tudo dentro da sua cabecinha», sublinhou o especialista no autor de «Mensagem».

Sobre Fernando Pessoa, Richard Zenith disse ainda que a «cabecinha» do poeta «é um universo» difícil de explicar ao público.

«Este prémio ajuda a viabilizar o meu trabalho sobre a biografia já que ninguém me está a pagar agora, não tenho uma mensalidade para esse trabalho da escrita da biografia portanto isso é bem-vindo, claro», concluiu.

Richard Zenith tornou-se «cidadão de Portugal por dedicação e louvor a uma obra, a de Fernando Pessoa, uma literatura, a nossa, e uma língua, a portuguesa», explicou Pinto Balsemão durante o anúncio do prémio, hoje no Palácio de Seteais.

Richard Zenith é natural de Washington DC, tendo obtido a licenciatura em Letras na University of Virginia. Viveu na Colombia, no Brasil e em França antes de se radicar em Lisboa, em 1987.

O Prémio Pessoa, no valor de 60 mil euros, é concedido anualmente à pessoa de nacionalidade portuguesa que durante esse período e na sequência de uma atividade anterior tiver sido protagonista de uma intervenção particularmente relevante e inovadora na vida artística, literária ou científica do país.
Redação / CLC