Um homem com cerca de 40 anos é suspeito de ter assassinado os pais, num prédio da Avenida do Movimento das Forças Armadas, no Barreiro (distrito de Setúbal), disse à agência Lusa fonte policial.

Segundo os Bombeiros de Salvação Pública do Barreiro, o alerta foi dado às 13:35 e quando os elementos da corporação chegaram ao local as duas vítimas - um homem de 75 anos e a mulher, de 70 - já não apresentavam sinais de vida. O casal poderia já estar morto há dias, já que o homem frequentava diariamente um café nas proximidades e não era visto há três dias. O alerta terá sido dado pelo irmão de uma das vítimas.

O suspeito terá tentado o suicídio, quando a polícia bateu à porta, ferindo-se no pescoço. Foi, por isso, conduzido ao hospital, mas já teve alta

De acordo com os bombeiros, as vítimas terão sofrido vários ferimentos provocados por uma arma branca.

O filho do casal, que também apresentava alguns ferimentos, foi acompanhado ao hospital do Barreiro por elementos da PSP.

O homem com cerca de 40 anos é o único suspeito de ter assassinado os pais à facada num prédio no Barreiro (distrito de Setúbal) e está no hospital “sem indicação de quando terá alta”, disse hoje à Lusa fonte policial.

“Está no hospital, controlado pela polícia, mas não existe indicação de quando terá alta”, disse fonte policial à agência Lusa, admitindo a hipótese de o crime não ter sido cometido no dia de hoje.

Segundo os Bombeiros de Salvação Pública do Barreiro, o alerta foi dado às 13:35 e, quando os elementos da corporação chegaram ao local as duas vítimas, um homem de 75 anos e a mulher, de 70, já não apresentavam sinais de vida.

O suspeito, filho do casal, também apresentava alguns ferimentos e foi acompanhado ao hospital do Barreiro por elementos da PSP.

O crime ocorreu num prédio na Avenida do Movimento das Forças Armadas, na freguesia do Alto do Seixalinho, concelho do Barreiro.

Fonte policial confirmou que as duas vítimas foram mortas com recurso a uma faca.

“Foi o irmão do homem que morreu que deu o alerta. Tentou contactar o irmão e não conseguiu, como sabia da existência de problemas, contactou a PSP, que descobriu todo aquele cenário”, acrescentou.

A mesma fonte referiu que o crime poderá estar relacionado com um quadro de toxicodependência do suspeito, mas explicou que apenas a investigação vai permitir apurar todos os dados relacionados com o caso.

/ MM - Atualizada às 16:40