A sociedade de advogados Vieira de Almeida (VdA) vai processar o Correio da Manhã, alegando que a notícia da primeira página do jornal sobre o caso Freeport é «grave e difamatória».

Em comunicado enviado à comunicação social, a sociedade refere que «face à gravidade da notícia e à natureza difamatória da mesma» foi decidido «agir judicialmente contra os responsáveis, tendo para o efeito constituído advogado Daniel Proença de Carvalho».

O Correio da Manhã noticia que o «Freeport pagou 6,5 milhões a advogados», adiantando que «buscas ao escritório de Vieira de Almeida dão indícios sobre este valor que foi alvo de uma complexa operação financeira».

No comunicado, a sociedade explica que «todos e quaisquer pagamentos recebidos da Freeport se destinaram a liquidar honorários ou a constituir adiantamentos de despesas que foram pagas em nome do cliente, como foi o caso da compra do terreno onde se instalou o outlet, no valor de 5,860 milhões de euros (mais SISA)».

Indica ainda que «os únicos pagamentos efectuados pela Vieira de Almeida Serviços a um fundo de investimento gerido pela Norfin resultam, exclusivamente, do facto de esse fundo ser, desde 2000, senhorio de parte do espaço onde está instalado o escritório» da sociedade.

A sociedade refere também que «todos estes movimentos, sem qualquer excepção, se encontram devidamente titulados e comprovados e foram integralmente disponibilizados às autoridades».
Redação / CLC