O curso de Medicina da Universidade Católica Portuguesa foi acreditado pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES). O anúncio foi feito esta terça-feira pela reitora da instituição. 

Isabel Capeloa Gil utilizou  o Twitter para revelar a acreditação, naquele que considera "um grande dia para o Ensino Superior".

Recorde-se que, em 2019, a Universidade Católica tinha visto a sua proposta chumbada pela A3ES

Em causa estavam dois pareceres negativos, um da comissão de avaliação de peritos nomeada pela A3ES para analisar o processo e outro da Ordem dos Médicos, que se tinham manifestado contra a proposta da universidade, apontando-lhe "insuficiências".

Para a apreciação negativa da A3ES contribuíram as falhas apontadas nos dois pareceres, nomeadamente questões pedagógicas, a discordância da Ordem dos Médicos em relação a uma disciplina e ao tempo insuficiente de contacto com a prática clínica em hospitais.

Foi ainda considerada a sobreposição de oferta, uma vez que a abertura do curso representaria uma terceira formação em Medicina na região de Lisboa, e o facto de “parte do pessoal docente da nova faculdade ser retirada da Universidade de Lisboa e da Universidade Nova de Lisboa”.

Em julho, o bastonário da Ordem dos Médicos acusou o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, de fazer uma “pressão brutal” sobre a Agência de Avaliação e Acreditação  para a abertura de novos cursos de medicina.