O Governo aprovou esta sexta-feira a criação de uma nova escola superior do Instituto Politécnico de Bragança (IPB) em Chaves, no distrito de Vila Real, com licenciaturas dedicadas ao turismo e bem-estar.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, revelou a decisão de homologar a criação da nova escola superior durante a apresentação do projeto, que decorreu esta sexta-feira no AquaValor, em Chaves, numa cerimónia que contou com a presença da ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa.

Homologo a inserção da escola numa rede europeia em estreita articulação em atividades de investigação e de inovação no laboratório colaborativo AquaValor assim como em estreita articulação com a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Tâmega, incluindo a inovação e desenvolvimentos de projetos empresariais de valorização de novos produtos e sistemas da água”, referiu Manuel Heitor durante a sua intervenção.

Para o governante, esta parceira entre a CIM do Alto Tâmega, que engloba os concelho de Chaves, Valpaços, Boticas, Montalegre, Vila Pouca de Aguiar e Ribeira de Pena, e o IPB irá permitir criar “mais riqueza local”.

Hoje sabemos ainda mais que a valorização dos recursos endógenos, como a água, precisa de pessoas e conhecimento e isso faz-se atraindo jovens para o ensino superior e fazendo atividades de investigação”, destacou, em declarações aos jornalistas, no final da cerimónia.

A Escola Superior de Hotelaria e Bem-Estar nasce do trabalho que o politécnico tem desenvolvido nos últimos anos na área do potencial ligado ao termalismo e à água na zona do Alto Tâmega, e já tinha sido aprovado pelos órgãos internos do IPB.

A proposta do politécnico de Bragança, agora aprovada, pretende valorizar o cluster da água e termalismo com três licenciaturas, nomeadamente Direção Hoteleira, Fisioterapia e Termalismo e Restauração.

Após a autorização da tutela para avançar, o presidente do IPB, Orlando Rodrigues, realçou, após a cerimónia, que será agora “nomeada uma comissão instaladora” para “continuar as etapas de construção deste projeto”.

Vamos de imediato proceder ao pedido de criação das primeiras licenciaturas. Não é possível neste próximo ano letivo, mas no seguinte teremos um conjunto de licenciaturas a funcionar, teremos mais cursos técnicos superiores, investigação e um corpo docente”, salientou.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior garantiu ainda que a aposta do IPB e Alto Tâmega terá “todo o apoio” do Governo “sobretudo por um ensino superior de proximidade”.

Hoje já há ensino superior em 30% dos municípios, em 133, e é muito importante continuar este trajeto”, frisou Manuel Heitor.

O ensino superior público regressa a Chaves, e ao Alto Tâmega, após o encerramento do Polo da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro em 2015.

O Campus da Água deverá funcionar provisoriamente dividido entre as instalações do Laboratório Colaborativo do AquaValor, nas instalações da Escola Profissional de Chaves, cedidas pela câmara local, e nas instalações do Balneário Pedagógico de Investigação e de Desenvolvimento de Práticas Termais de Vidago.

O IPB tem atualmente cinco escolas superiores, em Bragança e em Mirandela, com nove mil alunos, um terço dos quais internacionais, e oferta formativa dos cursos técnicos aos mestrados.

O IPB que juntar a Escola Superior de Turismo e Bem-estar, em Chaves, à de Comunicação, Administração e Turismo de Mirandela, e de Saúde, Educação, Agrária e Tecnologia e Gestão, em Bragança.

Agência Lusa / NM