O Conselho de Reitores aprova a proposta do Governo para as vagas 2019-2020 no Ensino Superior, mas propõe que o aumento de vagas nos cursos mais procurados em Lisboa e Porto possa ser aplicado noutras instituições.

O Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) diz, em comunicado, que para o parecer positivo ao despacho do Governo contribui o facto de se acabar com os “cortes cegos” de vagas nas universidades de Lisboa e Porto, assim como a manutenção da “discriminação positiva” das instituições do interior.

Os cortes em Lisboa e no Porto deixam de ser cegos e passam a ter em conta variáveis como a ‘procura de excelência’ [candidatos com média superior a 17], ‘índice de procura’ ou o facto de os cursos serem estratégicos para o futuro do país, como é o caso das competências digitais e Ciência de Dados”, diz o CRUP, em comunicado.

“O projeto de despacho é um avanço”, afirma o presidente do CRUP, Fontainhas Fernandes, citado no comunicado, sublinhando que “o Governo mantém preocupações com a coesão territorial, mas passa a atender a outros fatores igualmente importantes”.

Uma das propostas do CRUP é que seja considerado que "o aumento de vagas de 5 a 15% em pares instituição/ciclo de estudos com elevado número de candidatos em 1.ª opção no concurso nacional de acesso 2018-19 com nota de 17 ou superior, para além da aplicação obrigatória nas instituições sediadas em Lisboa e Porto, possa ser também aplicada, de modo opcional, nas outras instituições".