O presidente da Administração Regional de Saúde do Norte (ARSN), Fernando Araújo, garantiu esta segunda-feira que, em 2009, a afluência às «Urgências» do Centro de Saúde de Valença foi, em média, de 1,7 doentes por dia, no período nocturno, e não de 17, como defendeu o porta-voz do protesto.

«São números oficiais e não há outros: em 2009, no período compreendido entre a meia-noite e as 00:00, foram, em média, 1,7 doentes por dia ao Serviço de Atendimento Permanente [vulgarmente apelidado de Urgências] de Valença», disse, à Lusa, Fernando Araújo.

O responsável reagia, assim, aos números hoje avançados pelo porta-voz da Comissão de Utentes do Centro de Saúde de Valença, que garantiu que aquela média era de 17 utentes por dia e que acusou mesmo o Governo de ter «deliberadamente» posto uma vírgula no meio.

«O Governo fala numa média de 1,7 utentes por noite, quando na verdade são 17. Alguém se lembrou de meter, deliberadamente, uma vírgula no meio», criticou.

«Foram, de facto, 1,7 utentes, numa média, aliás, muito semelhante à registada no mesmo Centro de Saúde nos quatro anos anteriores. Uma média de 17 utentes por noite nem em muitos hospitais há», referiu Fernando Araújo.

O SAP de Valença fechou definitivamente à meia-noite de 28 de Março, sendo substituído por uma consulta aberta, que funciona das 08:00 às 24:00.

«Com esta alteração, pode-se transferir os médicos da noite para o dia, o que dá muita mais possibilidade de os utentes terem consulta com o seu médico de família», acrescentou o presidente da ARSN.
Redação / CLC