A vacinação nos lares de idosos arranca nesta segunda-feira, em Mação, distrito de Santarém, com mais de 100 pessoas de duas instituições a receberem a vacina, adiantou hoje o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS).

A vacinação arranca esta segunda-feira no concelho de Mação, e serão vacinados os utentes e funcionários de duas instituições: a Casa de Idosos de São José das Matas (51 pessoas) e a Santa Casa da Misericórdia de Cardigos (61 pessoas)”, adiantou o MTSSS, em comunicado.

A ministra Ana Mendes Godinho, acompanhada da secretária de Estado da Ação Social, Rita Mendes, do secretário de Estado da Saúde, Diogo Serras Lopes, e do secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares e coordenador da região de Lisboa e Vale do Tejo, Duarte Cordeiro, vão marcar presença no arranque da vacinação, agendada para as 15:00, na Casa de Idosos de São José das Matas.

Às 16:00 a vacinação prossegue no lar da Santa Casa da Misericórdia de Cardigos.

A União das Misericórdias Portuguesas (UMP) e Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Social (CNIS) manifestaram hoje a sua preocupação com o aumento dos últimos dias de surtos em lares de idosos, maioritariamente relacionados com funcionários, segundo disse à Lusa o presidente da UMP, Manuel Lemos.

“Os surtos são muito significativos, um bocadinho o que era esperado, mas com o crescendo a situar-se mais nos funcionários do que nos utentes”, disse Manuel Lemos, quando questionado sobre o quadro pandémico nos lares após o alívio das restrições de contactos sociais na quadra natalícia.

Já o padre Lino Maia, presidente da CNIS, sublinhou a estabilização dos contágios e depositou esperanças no processo de vacinação.

Diversos surtos foram registados após o Natal em lares de idosos, como no da Santa Casa da Misericórdia de Mêda, que atingiu 65 utentes e 26 funcionários.

Já em Vila do Conde, Porto, um surto no lar da Ordem Terceira de S. Francisco matou cinco idosos, além de infetar 87 outras pessoas, entre utentes e funcionários.

O registo dos últimos casos inclui, entre outros, um surto no lar Palácio D’El Rei, no concelho de Óbidos, que infetou 34 utentes e nove funcionários e provocou a morte de dois idosos.

Numa audição parlamentar dias antes do Natal, a ministra Ana Mendes Godinho garantiu que as prioridades de vacinação dos lares incluíam os lares ilegais, adiantando que em 2020 foram identificados por inspeções da Segurança Social 788 instituições em situação irregular.

A ministra da Saúde, Marta Temido, adiantou na passada semana que a vacinação nos lares de idosos só se realiza quando estes não tiverem qualquer surto ativo, tendo o surto de ser resolvido antes de ser dado início ao processo na instituição afetada.

A campanha de vacinação contra a covid-19 arrancou no final de dezembro nos centros hospitalares universitários do Porto, Coimbra, Lisboa Norte e Lisboa Central.

O plano prevê que sejam vacinados até abril cerca de 950 mil pessoas dos grupos prioritários definidos pelo grupo de trabalho: pessoas com mais de 50 anos com doenças associadas, utentes e trabalhadores de lares e profissionais de saúde e de serviços essenciais.

A primeira fase de vacinação prolonga-se até final de março de 2021, tem prevista a chegada de 1,2 milhões de doses de uma vacina que é facultativa, gratuita e universal, sendo assegurada pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Portugal contabiliza pelo menos 7.118 mortos associados à covid-19 em 427.254 casos confirmados, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

/ CM