A Câmara Municipal de Ponta Delgada negou responsabilidades na falsa convocação de pessoas para a vacina contra a covid-19, afirmando que um utente foi contactado pelo município, “mas esse contacto nada teve a ver com a vacinação”.

Após investigação sobre o assunto, verificou-se que esse utente foi contactado pelo número da Câmara Municipal de Ponta Delgada, mas esse contacto nada teve a ver com a vacinação, tendo-se determinado a origem e o motivo da referida chamada”, lê-se num comunicado hoje divulgado.

A Câmara de Ponta Delgada reagia assim às declarações do secretário regional da Saúde, Clélio Meneses, segundo o qual apareceram no posto de vacinação das Portas do Mar várias “pessoas que tinham sido contactadas” indevidamente para serem vacinadas.

Estes últimos contactos foram feitos através de um “número da Câmara Municipal de Ponta Delgada”, mas o secretário regional garantiu que “não foi, obviamente, a senhora presidente da Câmara, nem ninguém a mando dela, que determinou a vacinação, foi alguém que utilizou um número oficial da Câmara Municipal para criar o caos, para criar confusão”.

Face a estas declarações, a Câmara adianta que a sua presidente, Maria José Duarte, foi informada, na segunda-feira, dia 03 de maio, de que “quatro pessoas se terão dirigido às Portas do Mar para serem vacinadas, alegando terem sido contactadas por telefone para o fazerem”.

Das quatro pessoas, a Unidade de Saúde de Ilha de São Miguel apenas conseguiu identificar o número de contacto de um dos utentes”, tendo-se depois verificado que “esse contacto nada teve a ver com a vacinação”, informa a autarquia.

A presidente da Câmara Municipal contactou o presidente da Unidade de Saúde de Ilha de São Miguel e o diretor regional da Saúde, dando-lhes conta desse mal-entendido, de forma a que não se espalhasse o caos, confusão ou problemas ao processo de vacinação”, lê-se no comunicado.

A autarca disponibilizou-se ainda “para verificar qualquer contacto para os três outros utentes, logo que os respetivos contactos fossem identificados, o que, até ao momento, não aconteceu”, diz o município.

Por estes motivos, “o município de Ponta Delgada não se revê na imputação que lhe foi feita nas declarações do senhor secretário regional, compreendendo que as mesmas resultam de deficiente informação, que gerou este mal-entendido, agora esclarecido”, acrescenta.

A Câmara destaca ainda que, “desde o início da pandemia, o município de Ponta Delgada tem respondido prontamente a tudo o que lhe foi solicitado pelas autoridades de saúde”.

Até 29 de abril, foram administradas nos Açores 79.589 doses de vacina contra a covid-19, correspondentes a 56.419 pessoas com 15 ou mais anos, com a primeira dose (27,85% taxa de cobertura), e 23.170 pessoas com ambas as doses (11,44% de taxa de cobertura), no âmbito do Plano Regional de Vacinação.

À data de hoje, o arquipélago conta com 174 casos positivos ativos, sendo 165 em São Miguel, seis nas Flores, dois em Santa Maria e um na Terceira.

Desde o início da pandemia foram diagnosticados 4.981 casos positivos de covid-19 nos Açores, tendo recuperado da doença 4.654 pessoas. Morreram 31 pessoas, saíram do arquipélago 79 e 43 apresentaram prova de cura anterior.

/ HCL