A Organização Mundial de Saúde (OMS) concedeu, esta quarta-feira, uma licença para uso de emergência de uma vacina contra a covid-19 desenvolvida na Índia, oferecendo garantias para uma injeção que os reguladores do país tinham já autorizado há meses.

A agência das Nações Unidas para a saúde anunciou, em comunicado, que autorizou a Covaxin, fabricada pela Bharat Biotech da Índia.

“Esta lista de uso de emergência alarga a disponibilidade de vacinas, a ferramenta mais eficaz de que dispomos para acabar com a pandemia”, disse Mariângela Simão, diretora-geral assistente para o acesso a medicamentos e produtos de saúde.

A Covaxin foi desenvolvida pela Bharat Biotech, em parceria com o Conselho Indiano para Investigação Médica, o órgão máximo de pesquisa do governo.

A vacina é feita com recurso a coronavírus desativado, para proporcionar uma resposta imune e é administrada em duas doses.

A OMS afirmou que a vacina foi considerada 78% eficaz na prevenção da covid-19 grave e “extremamente adequada” para países pobres, devido a procedimentos de armazenamento mais fáceis.

Um grupo de especialistas convocado pela OMS defendeu que são insuficientes os dados sobre a segurança da vacina em mulheres grávidas. Estão a ser planeados estudos para aprofundar estas questões.

O regulador de medicamentos indiano autorizou a Covaxin em janeiro, meses antes de os testes em humanos estarem completos, causando preocupação nos especialistas relativamente à administração prematura da vacina.

A Bharat Biotech publicou resultados em julho, revelando que a vacina tinha uma eficácia de 93% na prevenção da covid-19 grave e de cerca de 65% contra infeções com a variante mais contagiosa, delta.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, tomou a primeira das duas doses em março.

Em meados de outubro, mais de 110 milhões de doses da vacina haviam sido administradas, fazendo da Covaxin a segunda mais usada contra a covid-19 na Índia, a seguir à desenvolvida pela AstraZeneca.

/ BCE