A Diretora-Geral de Saúde, Graça Freitas, disse este domingo que, dos quase três milhões de pessoas que têm a vacinação completa em Portugal, apenas 3580 ficaram infetadas com o novo coronavírus.

Foram identificados, num total de 2.984.095 pessoas com esquema vacinal completo, e passados 14 dias sobre a segunda dose, um pequeno número de 3.580 que, mesmo assim, adoeceram”, reconhece a responsável.

A informação foi avançada durante uma entrevista feita ao Jornal de Notícias e à TSF e detalha que só 0,12% do total da população plenamente inoculada é que ficou infetada após a vacinação.

A responsável reconheceu que existem “pequenas diferenças” entre as vacinas, ao ser questionada sobre se este número tinha uma correlação direta com o tipo de fármaco administrado.

As vacinas são mais ou menos semelhantes em termos da sua efetividade. Há pequenas diferenças, no que toca às várias marcas”, disse Graça Freitas, destacando que, mesmo nas vacinas que utilizam a tecnologia MRNA, existem pequenas diferenças.

O anúncio surge num momento em que 70% da população adulta de Portugal já foi inoculada com pelo menos uma dose. Neste âmbito, Graça Freitas vai mais longe e admite que, em setembro, é previsível que 80% da população tenha recebido pelo menos uma dose da vacina contra o novo coronavírus.

Esta previsão tem em conta, esclarece, o pressuposto de que a vacinação para os menores entre os 12 e os 15 anos seja autorizada. Com um nível de imunidade que define de "bastante bom", Portugal pode esperar uma tendência para aliviar restrições.

"Não havendo risco zero, e dependendo, mais uma vez, da situação epidemiológica nessa altura, creio que a tendência será para assumir a nossa vida com alívio das medidas. Mas, sabendo que, de vez em quando, teremos de fechar a torneira, porque o vírus está com maior capacidade de expandir", afirmou.

Apesar de o parecer técnico da comissão de vacinação para estas idades não ter sido ainda publicado, Graça Freitas adianta que o leu e conhece, deixando transparecer que haverá essa autorização.

"A aposta na vacinação é a forma mais eficaz até ao momento encontrada para tentar controlar o vírus, reduzindo ao mínimo a sua ação, mas não é infalível, já que “este vírus, pela sua capacidade de se multiplicar e sofrer mutações, não é um candidato a ser erradicado”, alerta, destacando que reflexo disso é o facto de surgirem casos de infeção em pessoas já vacinadas.

Portugal atingiu, esta sexta-feira, a meta de ter 70% da população adulta vacinada contra a covid-19 com pelo menos uma dose, anunciou o ministério da Saúde em comunicado. Isto significa que mais de 5,8 milhões de pessoas com 18 ou mais anos estão vacinadas com pelo menos uma dose da vacina contra a covid-19.

A meta é alcançada em linha com o anúncio da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, de que a União Europeia atinge, este fim de semana, o seu objetivo de ter doses suficientes para vacinar 70% da sua população adulta.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 4.013.756 mortos em todo o mundo, resultantes de mais de 185,5 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente feito pela agência France-Presse.

Em Portugal, desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram 17.148 pessoas e foram registados 905.651 casos de infeção, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.