O major Vasco Brasão, em missão na República Centro-Africana, chegou hoje a Portugal e foi detido, no âmbito do caso do aparecimento de armas roubadas em Tancos, e poderá ser ouvido na terça-feira, disse à Lusa o seu advogado.

Já requeremos que ele seja ouvido amanhã (terça-feira), agora não sabemos. Ele tem 48 horas para ser ouvido, pode ser amanhã ou na quarta-feira”, disse à Lusa Ricardo Sá Fernandes, advogado do militar, que foi porta-voz da Polícia Judiciária Militar (PJM).

Ricardo Sá Fernandes explicou que era suposto Vasco Brasão chegar a Lisboa na terça-feira, pelo que tinha requerido que fosse ouvido na quarta-feira, mas que com a antecipação da chegada também foi feito o pedido para ser ouvido mais cedo.

Em declarações anteriores, Sá Fernandes afirmou que o seu cliente “pretende esclarecer os equívocos” relacionados com a investigação do processo Operação Húbris, sobre a recuperação das armas roubadas em Tancos.

A Polícia Judiciária deteve em 25 de setembro, no âmbito da Operação Húbris, que investiga o caso da recuperação das armas furtadas em Tancos, o diretor e outros três responsáveis da PJM, um civil e três elementos do Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Loulé.