O Ministério Público acusou 12 pessoas por associação criminosa, recetação, furto, falsificação ou contrafação de documento, detenção de arma proibida e de tráfico de droga de menor gravidade, segundo a Procuradoria Geral Distrital de Lisboa.

Segundo a acusação do Ministério Público de Sintra, antes de fevereiro de 2018, um dos arguidos criou, juntamente com outros implicados, um grupo que se dedicou ao furto de veículos e à compra de carros furtados, que depois eram desmantelados e vendidos em peças.

Um dos acusados era o líder do grupo, a quem os outros elementos obedeciam e reportavam, e os restantes desempenhavam funções e tarefas distintas nos furtos e desmantelamento de veículos.

O esquema foi descoberto pela GNR e agora o MP deduziu acusação contra 12 arguidos por associação criminosa, recetação agravada, furto qualificado, falsificação ou contrafação de documento agravada, condução sem habilitação legal, detenção de arma proibida e tráfico de droga de menor gravidade.

Quatro dos arguidos estão em prisão preventiva, outros quatro em prisão domiciliária com pulseira eletrónica e os restantes apenas com Termo de Identidade e Residência.