“Todas as campanhas de troca de seringas foram muito bem direcionadas e eficazes, mas na área da transmissão sexual - até por algum tabu e mitos associados a esta patologia - as pessoas acharam sempre que era uma doença do outro.”




“Numa pessoa idosa, muitas vezes andamos à procura de uma qualquer doença oncológica, pelos sintomas que os doentes apresentam, e não nos vem logo à cabeça que pode ser VIH e isso acontece: diagnósticos tardios em pessoas idosas.”






“O prolongar da atividade sexual mais tardiamente, com todos os fármacos que estão disponíveis hoje em dia, levou as pessoas a infetarem-se em fases mais tardias da vida.”