A Ordem dos Médicos enalteceu esta quarta-feira o vice-almirante, Henrique Gouveia e Melo, e respetiva equipa pelo trabalho realizado no plano de vacinação contra a covid-19.

​​​​A liderança do Vice-Almirante foi determinante para colocar Portugal num caminho de exemplo no que à vacinação diz respeito, reforçando a confiança na ciência, na medicina e nas vacinas", considerou o bastonário da Ordem, Miguel Guimarães, citado em comunicado, após ter sido anunciado o fim da missão da 'task-force' para a vacinação contra a covid-19.

A elevação, a capacidade de trabalho, o sentido de missão, a estratégia e o planeamento revelados ao longo destes meses foram essenciais para Portugal estar perto da meta de 85% de população vacinada”, acrescentou.

Miguel Guimarães considerou ainda que o vice-almirante revelou uma capacidade ímpar de estar próximo e ouvir todos os profissionais de saúde que estiveram nos centros de vacinação, adaptando o plano quando necessário. 

O ajuste do plano de vacinação, de acordo com o bastonário, permitiu que o responsável pela 'task-force' atribuísse diretamente à Ordem dos Médicos a missão de vacinar mais de 6.000 médicos que estavam a ficar para trás, por não terem vínculo direto ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) ou por estarem noutros setores de atividade. 

O bastonário agradeceu ainda o trabalho da equipa da Ordem e a cooperação das instituições onde se concretizou o plano de vacinação, nomeadamente em Lisboa, Porto, no Hospital das Forças Armadas, no Centro de Saúde Militar de Coimbra e no Centro Hospitalar Universitário do Algarve.

Agência Lusa / NM