O comandante do posto da GNR de Coruche afastado do cargo na sequência de uma investigação desencadeada pela GNR foi constituído arguido e transferido para o Comando de Santarém.

O comandante do posto de Coruche foi constituído arguido depois de ter sido ouvido, na quinta-feira, pelo procurador do Ministério Público. Além disso, o sargento foi transferido para o Comando Distrital de Santarém da GNR.

«Trata-se de uma medida cautelar tomada na sequência do processo disciplinar aberto pela GNR. Foi transferido para o afastar da zona [Coruche], para o tranquilizar e para que o comandante possa também preparar e formalizar a sua defesa. No final, caso se chegue à conclusão de que tudo isto não passou de um mal-entendido, voltará às suas funções", explicou à Lusa o tenente-coronel Costa Lima.

O porta-voz da GNR manteve a posição de não revelar de que é suspeito o comandante do posto de Coruche.

Outra fonte ligada ao processo adiantou à Lusa que em causa está, pelo menos, uma situação relacionada com uma arma, mas admite haver indícios de mais crimes que terão sido praticados pelo comandante, sem, no entanto, adiantar mais dados, para não prejudicar a investigação em curso.

A investigação e as buscas no posto da GNR de Coruche decorreram hoje de manhã e vão continuar durante a tarde.

«Foi uma situação desencadeada, investigada, e as medidas tomadas pela própria GNR, em coordenação com o Ministério Público, para que não restem dúvidas em relação à investigação que estamos a fazer», esclareceu o tenente-coronel Costa Lima na quinta-feira à noite.

O porta-voz da GNR acrescentou que, quando há dúvidas em relação a atitudes ou comportamentos de alguns militares, a guarda toma as medidas necessárias para que essas dúvidas sejam dissipadas e que se chegue à verdade.

«Nesse sentido, e porque tínhamos dúvidas em relação a uma determinada situação, decidimos tomar esta decisão [afastar o comandante das suas funções] para salvaguardar o bom nome da instituição e para que o comandante possa também defender-se», explicou.

A investigação decorria há algum tempo e culminou com o afastamento do sargento do cargo de comandante do posto de Coruche, na quinta-feira.
Redação / FC