A mãe de Ivo Delgado, uma das alegadas quatro vítimas do Rei Ghob, disse esta segunda-feira em tribunal que a família andava a desconfiar do desaparecimento do filho e que este não estaria em Espanha.

Depois de vários SMS enviados para o seu telemóvel - alegadamente por Francisco Leitão, fazendo-se passar por Ivo -, Cecília Delgado disse que «para o fim já desconfiava. Nas últimas SMS, a seguir a cada palavra havia uma cruzinha», escreve a Lusa.

Depois de se emocionar durante o depoimento e de ter chorado em tribunal, a mãe de Ivo Delgado disse ter estranhado que o filho lhe tivesse enviado uma mensagem de telemóvel a pedir «para lhe mandar frango guisado porque gostava muito», quando ela nunca tinha percebido que «ele gostava tanto» desse prato.

No entanto Cecília só apresentou queixa do desaparecimento do filho em 2010, quando a Polícia Judiciária iniciou a investigação.

No seu depoimento, a mãe de Ivo Delgado deixou implícito o alegado envolvimento de dois outros cúmplices no desaparecimento do filho, dois amigos de Francisco Leitão: um homem conhecido por «João da roulotte», com quem os pais se encontravam para saber novidades da vítima, e um militar da GNR, vizinho do arguido, que lhe terá dito que tinha visto o filho.

O julgamento foi interrompido às 12:20 e é retomado às 14:30 para continuar a ouvir o pai de Ivo Delgado.

A presidente do coletivo de juízes, Maria Domingas, agendou ainda para a tarde o depoimento da mãe e do pai de Joana Correia, a alegada última vítima de Francisco Leitão desaparecida desde Março de 2010, aos 16 anos.
Redação / PB