O Ministério Público acusou um homem de matar uma mulher que vivia com ele e de enterrar o corpo numa zona de mato em Vila Nova de Gaia, em 2015, anunciou hoje a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) do Porto.

Na sua página oficial, a procuradoria refere que o arguido, de nacionalidade brasileira, tal como a vítima mortal, está acusado pelos crimes de homicídio qualificado, profanação de cadáver e falsificação.

De acordo com a acusação, cita na PGD, a 01 de outubro de 2015, pelas 05:00, o homem matou a mulher que vivia com ele em sua casa, no Porto, tendo posteriormente ocultado o corpo num quarto da casa.

Pelas 13:00, o arguido envolveu o cadáver num lençol e transportou-o na bagageira do carro até uma zona de mato em Vilar de Andorinho, em Vila Nova de Gaia, enterrando-o, salientou.

A procuradoria adiantou ainda que o arguido, em prisão preventiva, foi ainda acusado de a 28 de setembro de 2017, quando detido no cumprimento de um mandado de detenção europeu, em França, ter exibido um cartão de cidadão português falso onde figurava como titular.

Por decisão instrutória datada de 20 de abril de 2018 do Tribunal Judicial do Porto (juízo de instrução criminal do Porto) foi dada como não escrita, por nulidade, toda a matéria constante da acusação relativa ao crime de falsificação, seguindo a demais para julgamento”, sublinhou.