É comandante da GNR de Odemira e estava em Vila Nova de Milfontes quando soube que uma criança de dois anos estava com obstrução da via área, ou seja, sem conseguir respirar e já inanimada. O sargento Carvalho ouviu a comunicação da patrulha a pedir ajuda, chegou em poucos segundos ao local e executou a única manobra que nestas situações pode salvar uma vida.

"Agarrei na criança e efetuei as palmadas intercostais uma vez ou duas", conta. As palmadas foram leves, porque se tratava de uma criança, mas suficientes. "O menino encontrava-se sem respirar. E depois, felizmente, começou a chorar."

A criança foi depois de ambulância para o hospital e o pai só teve tempo de dizer "obrigado". O militar nem sequer chegou a saber o nome do rapaz que salvou mas gostava de conhecê-lo.

O comandante Carvalho já fez três missões internacionais: no Chade, no Malí e na Nigéria. É amante de mergulho e treinador de futebol de equipas da terra. E também salva vidas quando é preciso.

Amílcar Matos