Marco de Sousa Caneira, filho da cantora Ágata, está a ser julgado por uma alegada violação de uma jovem de 14 anos, na Povoação, Ponta Delgada. Contactada pela TVI24, uma fonte no Tribunal Judicial da Comarca de Ponta Delgada, nos Açores, confirmou que o julgamento do arguido de 38 anos começou esta terça-feira, sem a sua presença, tendo sido representado pelo seu advogado.

O arguido solicitou ao tribunal a sua dispensa, alegando razões de saúde mental. O julgamento, que se realiza à porta fechada, vai prosseguir esta quinta-feira com audição de testemunhas e alegações finais do Ministério Público e do advogado de defesa do arguido.

Os trabalhos judiciais ainda não terminaram. Vão existir mais audiências. A próxima será esta quinta-feira, às 14:00, no Tribunal Judicial da Comarca de Ponta Delgada”, afirmou a mesma fonte à TVI24.

Marco de Sousa Caneira está a ser acusado pelo Ministério Público de um crime de violação agravada, um crime de tentativa de pornografia de menores agravado e um crime de importunação sexual.

O caso remonta a setembro de 2016, onde Marco terá violado uma jovem numa festa popular na freguesia da Nossa Senhora dos Remédios, na Povoação. A vítima contou às autoridades que foi levada à força para um gabinete da Junta de Freguesia, no final de um concerto, onde o arguido estava a trabalhar como agente do cantor que atuou naquela noite. A jovem afirmou que foi forçada a fazer sexo oral e sexo anal, explicando que tudo aconteceu contra a sua vontade.

Dias depois da alegada violação, a vítima dirigiu-se a uma unidade hospitalar da região para realizar um teste de gravidez. A jovem de 14 anos foi levada pela própria mãe, que a foi buscar à escola, após um familiar lhe contar que a sua filha tinha sido violada por Marco de Sousa Caneira.

A enfermeira que prestou auxílio à rapariga denunciou a situação à Polícia Judiciária, com o objetivo de apurar o que aconteceu na noite de 18 de setembro de 2016.

A vítima não apresentou nenhum pedido de indemnização.

Esta não é a primeira vez que Marco de Sousa Caneira enfrenta problemas com a justiça. Em 2014, foi condenado pelo Supremo Tribunal de Justiça a indemnizar em dez mil euros uma antiga namorada, depois de ter sido divulgado um vídeo íntimo do casal num site pornográfico. O tribunal não conseguiu provar que foi o arguido a divulgar o vídeo, mas condenou-o porque este alegadamente teria o dever de o guardar.