O homem suspeito de ter assassinado a mulher por estrangulamento em Vieira do Minho, em março, foi acusado pelo Ministério Público de homicídio qualificado, apesar de não ter sido remetido o relatório da autópsia.

O Ministério Público considera que o arguido "agiu com o propósito concretizado de tirar a vida à sua esposa Ana Paula, apertando-lhe o pescoço durante vários minutos ao ponto de esta não conseguir respirar, uma vez que sabia que ao atual desse modo a mesma acabaria por morrer por asfixia, o que efectivamente quis e veio a acontecer".

No despacho da Procuradoria da República da Comarca de Braga, a que a TVI teve acesso, o Ministério Público refere ainda que "o arguido agiu de forma livre, voluntária e consciente, bem sabendo que a sua conduta era proibida e punida por lei".

A mulher, de 39 anos, foi encontrada morta na parte de cima do restaurante O Refúgio do Gerês, propriedade do casal, em Salamonde, Vieira do Minho.