Um comerciante lusodescendente de 23 anos foi detido pelas autoridades venezuelanas, que o acusam de violência sexual, agredir fisicamente e tentar assassinar a ex-namorada, que se encontra hospitalizada nos cuidados intensivos. As agressões ocorreram sábado na localidade de El Junquito (sul de Caracas).

O lusodescendente foi detido por funcionários da Divisão de Investigações de Delitos Contra A Mulher, Meninos, Meninas e Adolescentes, do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (CICPC, antiga Polícia Técnica Judiciária).

Segundo o CICPC, “após uma discussão, o agressor, valendo-se da sua força e de uma arma branca agrediu” a vítima, fisicamente, “causando-lhe hematomas, escoriações e feridas em diferentes partes do corpo com a finalidade de lhe tirar a vida”.

Fontes próximas da vítima disseram aos jornalistas que a vítima, de 20 anos de idade, entrou na viatura do ex-noivo para ir até uma farmácia, mas o lusodescendente desviou-se do caminho e ameaçou-a de morte, agredindo-a.

A vítima, estudante de comunicação social, optou por sair da viatura, em movimento, nas proximidades de um ponto de controlo da Guarda Nacional Bolivariana (GNB, polícia militar), enquanto era agredida.

A família iniciou uma campanha para recolher fundos para atender a jovem, que se encontra em um hospital de Caracas e necessita de ser operada.

“Enganada pelo meu ex-noivo, fui levada até ao borde da morte. Recebi múltiplos golpes no corpo, feridas no pescoço e estou a lutar pela vida em um hospital. A situação de risco, do meu caso médico, requer atenção numa clínica privada, para o qual não temos meios financeiros”, explica a família no Instagram, numa mensagem escrita em nome da vítima.

/ Publicada por MM