A Guarda Nacional Republicana afirma que a visita do papa a Fátima, a 12 e 13 de maio, obriga a “uma operação de larga escala” em que a principal preocupação é a segurança dos milhares de peregrinos.

“A nossa maior preocupação é a segurança das pessoas”, disse à agência Lusa o capitão Carlos Canatário, comandante do destacamento da GNR de Tomar.

Carlos Canatário adiantou que a preocupação da GNR é “garantir a segurança das pessoas que se vão deslocar ao santuário e espaço adjacente, como também conseguir que cheguem a Fátima nas viaturas”.

Para a visita do papa Francisco, nos dias 12 e 13 de maio, foi montada “uma operação de larga escala” em que vão estar envolvidas quase todas as valências da GNR.

“É uma força multidisciplinar que vai ter capacidade para reagir a todas ocorrências que surjam”, frisou, escusando-se a avançar com o número de militares da GNR que vão estar envolvidas na operação.

Carlos Canatário explicou que esta “informação é reservada e por motivos de segurança não vão ser dados grandes detalhes do dispositivo”.

A GNR é responsável pela segurança não só dos peregrinos, mas de todos os locais onde vai estar o papa em Fátima, local onde, há 35 anos, o papa João Paulo II foi alvo de um atentado, por um padre integrista espanhol, Juan Khron.

No entanto, cabe à Polícia de Segurança Pública, através do Corpo de Segurança Pessoal, fazer a segurança do papa Francisco, juntamente com a segurança do Vaticano, que se chama Guarda Suíça.

“Essas duas forças tem uma coordenação muito direta e próxima com a GNR, que é responsável pela segurança de toda área e de todos os percursos e todos os espaços onde o papa vai estar”, disse, acrescentando que “a segurança do papa não é uma coisa alheia à GNR, muito pelo contrário”.

Como medida adicional e de suporte a todas as outras medidas de segurança, o controlo documental nas fronteiras portuguesas vai ser reposto entre as 00:00 de 10 de maio e as 00:00 de 14 de maio por razões de segurança.

Durante estes dias são pontos de passagem autorizados as seguintes fronteiras terrestres: Valença-Viana do Castelo, Vila Verde da Raia-Chaves, Quintanilha-Bragança, Vilar Formoso-Guarda, Termas de Monfortinho-Castelo Branco, Marvão-Portalegre, Caia-Elvas, Vila Verde de Ficalho-Beja, Vila Real de Santo António.

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) é a entidade responsável pelo controlo de fronteiras.

Esta coordenação e articulação entre todas as forças e serviços de segurança está a ser feita pela secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, Helena Fazenda.

Em fevereiro, a Câmara Municipal de Ourém estimou que passarão por Fátima "um milhão de pessoas" em 12 e 13 de maio.

Francisco será o quarto papa a visitar Fátima, a 12 e 13 de maio, para canonizar os dois pastorinhos Jacinta e Francisco no centenário das "aparições" na Cova da Iria, em 1917.

O papa tem agendados encontros com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a 12 de maio, e com o primeiro-ministro, António Costa, no dia 13.

Os anteriores papas a estar em Fátima foram Paulo VI (1967), João Paulo II (1982, 1991, 2000) e Bento XVI (2010).

GNR acompanha a partir de segunda-feira peregrinos que vão a pé para Fátima

A GNR reforça, a partir de segunda-feira, o patrulhamento nas principais estradas de acesso a Fátima para garantir a segurança dos peregrinos que se deslocam a pé para o santuário, indicou hoje a corporação.

A operação “Peregrinação Segura” vai realizar-se até 12 de maio e a GNR aconselha os cidadãos que vão fazer a viagem a pé para informarem a corporação sobre a peregrinação através do preenchimento de um questionário em https://goo.gl/qZaxsT ou no posto mais próximo da residência.

Em comunicado, a Guarda Nacional Republicana adianta que os peregrinos devem informar sobre o dia, hora, local de partida e chegada, percursos a utilizar e o número de pessoas que constituem o grupo.

Segundo esta força de segurança, os cidadãos que se deslocam a pé para Fátima devem preparar a viagem com a devida antecedência, planear os locais de paragem, andar em fila indiana e sinalizar o início e o fim do grupo, caminhar sempre na berma contrária ao sentido do trânsito e não andar em locais onde seja proibida a circulação de peões.

Usar sempre, quer de dia quer de noite, coletes retrorrefletores, não andar sozinho(a) durante a noite e tomar especiais cuidados ao atravessar as vias são outros conselhos da GNR.

/ PP (atualizado às 13:53)