As prisões vão retirar as barreiras físicas de acrílico que existem nos parlatórios a separar reclusos e visitantes, segundo a diretiva de alívio progressivo das medidas impostas devido à pandemia de covid-19.

A Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) publicou na quarta-feira a diretiva que determina o levantamento das barreiras em acrílico existentes nos parlatórios das prisões a separar reclusos e visitantes, como forma de retoma da normalidade possível em período pandémico.

No entanto, os estabelecimentos prisionais vão continuar a conceder visitas no limite da lotação dos respetivos parlatórios, segundo as regras de distância social da Direção-Geral da Saúde, mantendo-se também a pré-marcação para as visitas.

A DGRSP considera que as barreiras de acrílico têm levantado “tantos constrangimentos à normalidade dos relacionamentos em parlatório”.

Este organismo refere que o desempenho da DGRSP na prevenção e combate à covid-19 nos estabelecimentos prisionais, nos centros educativos e junto dos seus trabalhadores, associada à elevada taxa de cobertura vacinal de reclusos, jovens internados e trabalhadores permite que se comecem a aliviar algumas das restrições que foi obrigado a aplicar.

A diretiva entrou imediatamente em vigor após a sua publicação pela DGRSP.

/ BCE