A Rússia vai iniciar a libertação de um grupo de baleias e orcas que estavam numa "prisão" há vários meses na baía de Srednyaya, próxima da cidade de  Nakhodka, perto da fronteira com a Coreia do Norte.

A libertação de um pequeno grupo de baleias-brancas e orcas - também conhecidas como baleias assassinas - foi anunciada pelo presidente russo, Vladimir Putin. As duas orcas e seis baleias-brancas vão ser transportadas para o local onde serão devolvidas à natureza, no mar de Okhotsk, acrescentou a agência russa RIA-Novosti.

O Ministério Público da Rússia começou a investigar as condições em que eram mantidos os animais no ano passado, depois de serem divulgadas imagens e vídeos por ambientalistas: cerca de 100 baleias viviam em gaiolas improvisadas e com espaço insuficiente para todas.

 

A captura comercial de baleias assassinas é regulada e permitida apenas para fins científicos, pelo que a "prisão para baleias" foi fortemente criticada por ativistas dos direitos dos animais, que acreditam que as baleias foram capturadas no âmbito de um negócio de milhões e seriam levadas para parques temáticos na China.

A CNN cita declarações de Putin à RIA-Novosti, tendo o presidente russo admitido que o problema não tem resolução simples: "Quando há muito dinheiro, há dificuldades com a solução", disse Putin.