Ruben Amorim, treinador do Sporting, em declarações na conferência de imprensa após a vitória do Sporting sobre o Nacional, numa partida em que Jovane saltou do banco, fez uma assistência e marcou um golo.

«O Jovane teve uma boa entrada, muito forte a segurar a bola e a rodar. Já perdi a conta dos jogos em que estamos aqui a falar de jogadores que saem do banco e mudam o jogo. Esse é papel deles. O Jovane está de parabéns como a equipa está de parabéns.

O Jovane já foi titular. Se calhar foi o mais importante quando chegámos, mas depois o momento e as lesões tudo mudou. Todos têm de estar preparados, ele é muito importante no Sporting.

Por exemplo, o Max fez uma excelente exibição. Devo lembrar que no início da época estava a lutar com o Adán para ser titular, teve covid, deixou de haver luta e o Adán ganhou o lugar. Pode haver muitos momentos na nossa vida desportiva que têm um grande impacto no nosso ano desportivo e foi isso que aconteceu também com o Jovane. Agora têm de correr atrás, porque a vida dá muitas voltas.»

[sobre a titularidade de Daniel Bragança no lugar de João Mário]

«Foi opção estratégica. O João tem vindo a jogar e tem feito um grande campeonato. Achei que as características do Bragança eram melhores para este jogo. Ele dá-nos muita velocidade com bola. Sabíamos que o Nacional ia passar muito tempo a defender e não iríamos precisar tanto do João Mário a carregar a bola ou a pausar o jogo, precisávamos mais de um jogador que estivesse de frente para o jogo, com capacidade para isolar colegas. Foi essa a ideia. Às vezes funciona, outras não.»

Adérito Esteves / Estádio de Alvalade, Lisboa