Ruben Amorim já tinha assumido que a pesada derrota diante do Ajax, na estreia do Sporting na Liga dos Campeões, tinha sido «uma forte pancada» para a equipa. Agora, na preparação para a visita a Dortmund o treinador recuperou o desaire com a equipa holandesa para

«Obviamente que mostrámos. Não falámos muito nisso a seguir ao jogo com o Ajax porque tínhamos jogo da Liga logo a seguir e mudámos o chip rapidamente, mas voltámos um pouco a isso, mostrámos onde falhámos. Mas também mostrei aos jogadores certos pormenores que mostram porque é que o futebol às vezes é tão atraente», começou por dizer na antevisão do jogo da segunda jornada da liga milionária.

O primeiro jogo foi analisado e o treinador destacou alguns dos pontos em que a sua equipa falhou. «Relembrámos o momento do 3-2 [golo anulado ao Sporting], por um bocadinho do corpo muda completamente o jogo. O segundo golo resulta de uma bola batida pelo guarda-redes, calculou-se mal a bola e sofremos o golo. Sofrer um golo na primeira jogada do jogo também muda completamente a estratégia de uma equipa», enumerou.

Falhas detetadas e as devidas correções. «Para além do que fizemos mal, olhámos para o jogo e dissemos aos jogadores que há dias que as coisas vão sempre contra aquilo que queremos fazer. Mostramos que o futebol tem coisas que não acontecem sempre. Que é importante começar o jogo e segurar bem o jogo e depois partir para a nossa estratégia. É preciso estar concentrado mesmo quando a bola está no guarda-redes. Obviamente que olhamos para o jogo passado e mostrámos muitas coisas aos jogadores para mostrar que as coisas podem ser diferentes e eles vão provar que podem fazer melhor», acrescentou.

Um dos jogadores que acusou mais a «pancada» foi Vinagre que, segundo o treinador, perdeu a confiança que já chegou a exibir. «Ele está preparado, agora, é óbvio, olhamos para o jogo com o Belenenses do Vinagre, em que o Nuno Mendes ainda estava cá, e todos nós dizíamos que o Nuno Mendes iria ter de lutar muito pelo lugar, mas há jogos que deixam marca. Quando os jogadores são inexperientes, há jogos que realmente deixam muita marca porque eu já passei por isso e sei o que é», comentou.

Uma marca que o treinador estende a toda a equipa. «Não há problema nenhum em dizê-lo que as marcas ficaram um pouco na equipa. Digo aqui antes do jogo para não parecer megaconfiante. Tenho muita confiança na minha equipa, mas conheço os jogadores e sei que eles estão à espera deste jogo para provarem que as coisas podem ser diferentes. Eles sabem o que têm de fazer e vai correr bem», destacou ainda.

Ricardo Gouveia / Alvalade