Ruben Amorim recusou a ideia de que nos últimos jogos tem estado mais «nervoso» no banco de suplentes do Sporting.

«Essa é uma noção que se tem nos resultados. Eu sempre fui assim no banco. A minha forma de estar é sempre assim, dependendo muito de como o jogo está, porque vivo muito as emoções do jogo. Mas não mudei nada. Durante o jogo temos momentos em que estamos a viver o jogo. Não vejo diferença para o que eu era no passado. Não mudei a minha forma de estar. Esta é a minha forma de viver os jogos e não mudou por estarmos no fim do campeonato», disse o treinador do Sporting, que foi expulso no final do último jogo dos leões e enfrenta agora um castigo de 15 dias que o impede de orientar a equipa nos jogos.

Amorim repetiu várias vezes estar «confiante», até porque, considerou, os quatro pontos perdidos pelo Sporting nos últimos dois jogos não refletem a qualidade que a equipa tem apresentado. «Sinto a equipa melhor e isso deixa-me mais tranquilo. (...) Tivemos dois jogos em que não conseguimos ganhar, mas fomos claramente superiores, aumentámos o número de oportunidades e diminuímos o número de oportunidades criadas pelo adversário. Três remates enquadrados com a baliza deram dois golos e isso faz parte do futebol. Obviamente que é sempre melhor ganhar, o ambiente é sempre melhor e a equipa está tranquila e a trabalhar bem. Eles acreditam em mim quando eu digo que eles estão melhores. E estão realmente melhores», disse.

«Às vezes o futebol tem coisas que não se explicam. Na jornada com o Moreirense tivemos um rival que esteve empatado até ao último minuto e ficaria com desvantagem maior. E nós com o Moreirense estivemos a ganhar até ao ultimo minuto. O que poderia ser uma vantagem maior tornou-se menor. Passámos de uma vantagem de 12 pontos para oito pontos num minuto. O futebol é mesmo assim. E o que eu explico aos jogadores é que o futebol muda de um momento para o outro. Se mudou neste momento, pode voltar a mudar. E o que controlamos é o jogo do Farense. E ganhando ao Farense está tudo bem, porque os resultados ditam muito do que é o futebol. Mais uma vez digo: a equipa do Sporting está melhor», vincou, considerando que a equipa leonina tem hoje «mais soluções».

Uma dessas soluções já testadas foi a introdução de Pedro Gonçalves no meio-campo no último jogo. «O Pote e o João Mário não vão chocar. Vão dar-se bem porque pensam o jogo de forma até parecida. Têm características diferentes. O Pote com mais chegada e o João Mário mais como organizador», assinalou Amorim.

David Marques / Academia do Sporting, Alcochete