José Peseiro em declarações aos jornalistas após o triunfo por 3-0 sobre o Boavista em Alvalade. O treinador do Sporting comentou o regresso de Mathieu aos relvados após lesão, as titularidades de Bruno Gaspar e Diaby, que se estreou a titular em jogos para o campeonato, e abordou ainda os primeiros minutos de Bas Dost após dois meses lesionado

[Diaby, Bruno Gaspar e Mathieu no onze]

«Não gosto de falar em questões individuais. Falo com eles [jogadores] sempre, mas é bom quando os jogadores de quem não falamos e dos quais muita gente se esquece que não têm jogado, regressam. É muito bom.

[Sobre Bas Dost]

«Quando regressa um jogador - que ainda não está em condições para jogar todo o tempo - que faz 70 golos em dois jogos [n.d.r.: em dois anos], e às vezes vejo cobrar e dizerem que falta este ou aquele jogador a uma equipa e as coisas são quase envolvidas numa desculpabilização e connosco parece que não querem olhar para isso: mas eu nem quero que olhem.»

[Sobre a opção de Diaby a extremo]

«É um dos casos, como outros, de jogadores que temos vindo a preparar para jogar. Quando o fomos buscar também tinha a ver com a possibilidade de jogarmos em 4x4x2. Ele no [Club] Brugge já tinha jogado nesta posição. Preparámo-lo para isto. A nossa equipa está a ser preparada nesta estrutura (4x3x3), que é a que nos dá mais confiança. Temos outros planos, de jogar em 4x4x2, mas [o sistema] não está preparado em tempo e qualidade de trabalho para podermos mudar só por causa do Diaby. Acho que fez bem como extremo.»

[André Pinto esteve em bom plano contra o Arsenal e foi preterido neste domingo por Mathieu. Porquê?]

«É verdade, mas foi uma escolha. É uma pergunta pertinente, mas vou explica-lo aos meus jogadores e não a ti [jornalista]. O André Pinto foi dos melhores jogadores contra o Arsenal mas ficou no banco. Acima dos jogadores está a equipa.»

David Marques / Estádio José Alvalade, Lisboa