Um militar da GNR do posto de Lever, em Gaia, suicidou-se ao princípio da noite de sábado com um tiro na cabeça, disparado com uma arma de serviço, disse o porta-voz da GNR, citado pela Lusa.

Trata-se de um militar jovem e casado, desconhecendo-se, até ao momento, as motivações que o levaram a cometer suicídio.

O incidente ocorreu no interior do posto, durante o período de serviço do agente.

O porta-voz da GNR, major Costa Lima, disse estar «completamente excluída» a hipótese de homicídio levantada por alguns populares que se concentraram junto ao posto e que afirmaram ter ouvido vários disparos.

«Os populares ouviram de facto um tiro, bastante tempo depois do militar ter cometido suicídio, mas tratou-se de um disparo de segurança porque existia uma munição encravada que era necessário retirar», explicou o porta-voz da GNR.

Segundo o Major Costa Lima, o disparo foi feito fora do quartel e em sitio seguro por técnicos especializados em armamento.

«É natural que o disparo tenha feio eco, o que terá levado os populares a pensar ter ouvido dois tiros», disse, frisando não ter existido «nenhuma confusão no interior do posto».

O responsável disse ainda que apesar de não existirem dúvidas sobre o suicídio, foi deslocada para o local uma equipa de investigação criminal para fazer a recolha de todas as provas.

«Este é o procedimento habitual sempre que ocorre um crime ou um suicídio, só que desta vez terá de ser feito dentro da nossa casa para que não restem dúvidas sobre o que se passou», disse.

O porta-voz da GNR acrescentou que os familiares da vítima foram informados do sucedido por uma equipa de psicólogos da GNR, que continua a prestar apoio não só aos familiares como também aos guardas do posto.

A vítima, natural de Penafiel, estava destacada no posto de Lever, concelho de Gaia, desde o início deste ano.

O corpo foi transportado para o Instituto de Medicina Legal do Porto para ser autopsiado.
Portugal Diário