Um golo de Diaby, de pontapé de bicicleta, colocou o Paços de Ferreira nos oitavos de final da Taça de Portugal.

Num jogo que marcou mais um reencontro de Pepa com uma equipa que treinou (depois do Tondela para a Liga), o técnico dos castores voltou a sair a sorrir. O técnico tinha admitido que a Sanjoanense lhe punha um brilho no olho, e este domingo o brilho acabou de ser também por ter conseguido a passagem à fase seguinte da competição.

O Paços de Ferreira entrou em campo com rótulo de favorito, face à diferença de escalões entre as duas equipas e assumiu de imediato a iniciativa atacante, mas sem grande eficácia.

Num relvado que denota os muitos dias de chuvas intensas que Paços de Ferreira tem tido, e que se tornou muitas vezes em mais um adversário, os primeiros minutos foram quase exclusivamente jogados no meio campo da Sanjoanense. Os castores queriam chegar à baliza, sobretudo com a subida dos laterais, procurando depois alguém no corredor central, mas os visitantes iam conseguindo fechar os caminhos e impedir lances de perigo junto à baliza de Diogo Almeida.

E acabou por ser de bola parada que o Paços chegou ao golo aos 12 minutos. Na sequência de um canto batido na direita, a bola chegou junto da baliza da Sanjoanense e, no meio da confusão Diaby a rematar de bicicleta e a marcar.

Com o golo pacense, a Sanjoanense começou a arriscar mais a saída para o ataque para tentar chegar ao empate e aos 25 minutos, os alvinegros tiveram uma grande oportunidade para marcar quando Belkheir chegou à área, rematou, mas Simão fechou as pernas e impediu que a bola seguisse para a baliza.

Na primeira parte, apenas mais um lance de perigo digno de nota, um remate de Bernardo Martins que acabou por resultar num canto.

Mas na segunda parte os guarda-redes tiveram mais trabalho. Logo após o intervalo, o Paços teve uma grande oportunidade para aumentar a vantagem, quando Rafael Gava rematou à queima roupa para uma defesa de Diogo Almeida e, na recarga, atirou ao poste. Logo a seguir, Tanque cabeceou junto à baliza, mas a bola saiu por cima.

A entrada forte dos castores motivou a resposta da Sanjoanense. Um remate de Belkheir, aos 61 minutos, a pôr à prova os reflexos de Simão, foi a maior oportunidade do encontro para a formação visitante.

O jogo estava mais aberto porque ambas as equipas procuravam o golo: a Sanjoanense para poder lutar pela eliminatória, e o Paços por saber do perigo que a vantagem de apenas um golo acarreta.

As substituições ainda agitaram mais o ritmo do encontro, e ambas as equipas foram conseguindo chegar mais perto da baliza adversária. Os castores estiveram perto do golo, com Bruno Santos e Uilton a verem os seus cabeceamentos a saírem por cima, e do outro lado, Elder Santana a ver Simão agarrar o seu remate.

O tempo jogava a favor dos castores e o jogo acabou sem que o marcador voltasse a mexer, mas graças a Oleg, que, no penúltimo lance do jogo, tirou em cima da linha a bola que daria o empate à Sanjoanense. Yago pegou na bola depois e seguiu até à baliza adversária, mas o remate saiu por cima. Também não era preciso mais. O 1-0 bastou para apurar o Paços de Ferreira para os oitavos de final.

Pepa tinha dito na antevisão do jogo que o Paços sonhava com o Jamor e agora vai poder continuar a sonhar.

FICHA DE JOGO

Estádio da Capital do Móvel, Paços de Ferreira.

Árbitro: Iancu Vasilica.

Assistência: 989 espectadores.

P. FERREIRA: Simão; Jorge Silva, Bruno Santos, Marco Baixinho, Oleg; Bernardo Martins (Pedrinho, 63’), Diaby, Rafael Gava, Hélder Ferreira (Yago, 85’); Douglas Tanque (Diogo Almeida, 69’) e Uilton

SANJOANENSE: Diogo Almeida; Daniel Pinto, Rúben Pereira, Manuel Godinho, Gil Barros; George Matlou (Juninho, 62’), Ricardo, Diogo Barbosa; Marcílio (Bilú, 62’), Elder Santana, Belkheir (Edson, 85’).

Ao intervalo: 1-0

Marcador: Diaby, 12’

Disciplina: cartões amarelos: Diaby, 61’; Ricardo, 68’; Bruno Santos, 83’; Simão, 90+1’

Resultado final: 1-0

Sara Marques