Paulo Sérgio, treinador do Portimonense, em declarações na sala de imprensa do estádio Municipal de Portimão, após a eliminação nos quartos de final da Taça de Portugal frente ao Mafra (4-1):

«Correu muito mal. Estávamos avisados para a qualidade da equipa do Mafra, mas nós até entrámos bastante bem no jogo, com dinâmica. O Mafra, na primeira vez que vai lá, nós defendemos mal, e faz golo.

A seguir, complicámos e há um penálti. Reduzimos, mas consentimos facilmente um terceiro golo e isso complicou muito. O Mafra estava muito confortável na partida, tem uma equipa muito bem trabalhada, dinâmica, com miúdos com muita qualidade. Foram mais lestos, mais rápidos na primeira parte e tiveram muita eficácia.

Na primeira parte, temos umas quatro bolas de golo e não concretizámos. O jogo ficou muito difícil, tínhamos a esperança de reverter as coisas na segunda parte, mas o Mafra, com a vantagem que tinha, baixou linhas e complicou-nos. De qualquer forma, não tivemos muito acerto no ataque. Acabámos por não nos conseguir superiorizar em termos de eficácia: tivemos muita bola, muitas tentativas, ainda vai haver mais um penálti e escuso-me a comentar esse tipo de situações: já chega.

Custa muito. Embora tenhamos feito uma prestação na Taça a que o Portimonense não está habituado, tínhamos expetativa de poder seguir em frente. Estamos frustrados, tristes, mas é futebol e já dei os parabéns ao Mafra pelo resultado.»

[Portimonense tem sofrido muitos golos nos últimos jogos]: «Vamos parar para analisar. De facto, com os elementos que tínhamos em campo na primeira parte, sofrer três golos é preocupante, mas não tem só que ver com a defesa: tem a ver com o comportamento coletivo que não foi o melhor porque, nem tão pouco podemos dizer que fomos surpreendidos porque estávamos bem-avisados para aquilo que o Mafra sabe jogar e as suas características. Não fomos rápidos, não fomos incisivos, há momentos em que é preciso fazer falta tática e não se fez.»

Pedro Lemos / Estádio Municipal de Portimão, Portimão