Bruno Lage, treinador do Benfica, analisou o dérbi que afastou o Benfica da final da Taça de Portugal, lamentando as muitas paragens do jogo, sem retirar as culpas também à sua equipa.

«Faltou-nos marcar nas muitas oportunidades que tivemos na primeira mão e nas duas ou três flagrantes que tivemos aqui. O resultado mais justo seria o empate, mas não marcámos o nosso golo e segue o Sporting para a final.»

«Mas não creio que tenha sido um grande jogo. De todos os jogos que fizemos com Sporting e FC Porto este foi o menos divertido. Teve muitas paragens que nos condicionaram. Nós gostamos de ter bola e dinâmica e quando o jogo está parado, parado e parado… Mas isso é total responsabilidade nossa que não conseguimos criar essa dinâmica. Só o conseguimos fazer a espaços. Mas não jogámos tão bem nem marcámos os golos que poderíamos ter marcado para seguir em frente.»

[a culpa das paragens é do árbitro?]

«Nós queremos ganhar. A cultura dos adeptos é ganhar, seja da forma que for. Durante três anos, vivi numa cultura em que o jogo era divertido e dinâmica. Que tinha uma alegria fantástica. E aquilo que vi hoje não foi esse. E não quero retirar daí as nossas responsabilidades, mas perdemos 3-1 na Taça da Liga com o FC Porto e as pessoas assistiram a um grande jogo. Esse tem de ser o jogo que teremos que elevar. Se andamos nisto das faltinhas nas transições, a pessoa que está a ver o jogo não se diverte.»

[a lesão de Gabriel foi importante na estratégia?]

«A saída do Gabriel condicionou porque na construção é muito importante no nosso jogo. Mas não foi só isso. Não tivemos o discernimento de perceber que o Sporting só tinha dois médios depois da linha de cinco. Não soubemos aproveitar bem isso. Por vezes ganhámos a com a superioridade numérica ali, mas tínhamos de ter mais jogo e mais bola.»

Adérito Esteves / Estádio de Alvalade, Lisboa