Sol radiante, relvado em boas condições e até adeptos - do lado de fora, claro - a apoiar. Estavam reunidas as condições para uma bela manhã de futebol no Machado de Castro.

O Tondela fazia jus ao estatuto de equipa da Liga e foi dono e senhor da bola durante o primeiro tempo. Ainda assim, os beirões só conseguiam criar oportunidades em lances de bola parada ou cruzamentos para a grande área. E, aí, encontrava pela frente Clayton, defesa brasileiro do Felgueiras, que se encarregou de afastar o perigo das bolas aéreas junto às redes de Júlio Neiva.

FILME DO JOGO

Mas, se Júlio Neiva teve pouco trabalho no primeiro tempo, o que dizer de Joel Sousa. O guardião do Tondela, em estreia pela equipa principal, passou boa parte dos primeiros 45 minutos junto à linha de meio-campo e só perto do intervalo, após remate de Serginho, houve algum perigo - se é que assim se possa chamar - junto à baliza beirã.

Uma primeira parte que estava longe da emoção de um ‘El Clasico’, apesar dos equipamentos das duas equipas se poderem confundir com os de Real Madrid e Barcelona, e em que o principal motivo de notícia foram as paragens para troca de bola, já estas estavam constantemente vazias.

Depois de ter deixado o Tondela assumir as despesas do jogo, o Felgueiras entrou atrevido após a recolha aos balneários. Serginho, animado por ter sido o autor do único remate da equipa caseira no primeiro tempo, colocou à prova Joel com um remate forte na conversão de um livre.

O jogo no segundo tempo tomou contornos bem distintos e o Felgueiras deixou de estar recolhido no seu meio-campo. A jovem equipa do Campeonato de Portugal (média de 22,9 anos de idade) surgiu revitalizada e obrigou Pako Ayestarán a desfazer o esquema de defesas centrais e colocar em campo mais um homem para reforçar o miolo e evitar o prolongamento.

E até o treinador espanhol já devia estar a fazer contas aos 30 minutos de futebol seguinte quando a equipa beneficiou de uma grande penalidade, já para lá do tempo regulamentar. O croata Strkalj, que somou um par de ocasiões de golo em todo o encontro, colocou a bola junto ao ângulo e carimbou o bilhete do Tondela para a próxima fase da Taça.

O Felgueiras esteve muito seguro defensivamente e acabou por sofrer, na sequência de uma falta na qual o cansaço terá falado mais alto do que o aspeto mental. O emblema do CP deixa o encontro de cabeça erguida, enquanto o Tondela sai com um sorriso amarelo no rosto, depois de beneficiar de um penálti na melhor altura e ter arrancado uma vitória a ferros após 90 minutos pálidos.

O conjunto da Liga segue em frente na prova, mas Pako Ayestarán vai ter muito que trabalhar com a equipa ao longo da semana. Em posse, os beirões sentem muitas dificuldades.

FICHA DE JOGO

Felgueiras-Tondela, 0-1

Estádio Dr. Machado de Matos, Felgueiras

FELGUEIRAS: Júlio Neiva; João Pedro, Nuno Lima, Luís Bastos, Clayton; João Bruno (85m), Hélder Pedro, Pedro Ribeiro, Kiko Félix (65m), Nuninho (85m) e Serginho

Suplentes do Felgueiras: Joel, André Rodrigues (65m), Abdul, Mateus Barbosa, Mirandinha (85m), Mário Sérgio e Théo Fonseca (85m)

TONDELA: Joel Sousa; Bebeto, Jota (83m), Yohan Tavares, Enzo, Khacef (78m); Jaquité (57m), Jaume Grau; Jhon Murillo (57m), Rafael Barbosa e Strkalj

Filipe Ferreira (78m), Pedro Augusto (83m), João Pedro (57m), R. Fonseca, Tiago, Souley e Telmo Arcanjo (57m)

Árbitro: Gonçalo Martins (AF Vila Real)

Assistentes: Bruno Trindade, Tiago Mota e Tiago Sá

DISCIPLINA

Cartões amarelos: João Pedro (45m), Nuninho (51m), Hélder Pedro (63m), Rafael Barbosa (72m), João Bruno (78m), Hélder Pedro (90+4m)

GOLOS: Strkalj (g.p., 90+4m)

André Cruz