O Paredes-Benfica não teve público na única bancada da Cidade Desportiva, mas nem por isso deixou o panorama deixou de colocar em casa as mais elementares regras de higiene respiratória e distanciamento social. 

Na tribuna destinada a dirigentes e staffs técnicos, foi evidente o excesso de pessoas. Pelo menos aos olhos do bom senso. O Maisfutebol contou, pelo menos, 32 pessoas nesse setor da bancada, com uma proximidade que nos pareceu ser uma inconsciência.

Apesar de o jogo pertencer a uma competição da FPF, a organização foi da inteira responsabilidade do Paredes. Ainda assim, de acordo com explicações enviadas pelo elenco federativo ao nosso jornal, essa «perceção» que tivemos sobre a sobrelotação da bancada, aos olhos dos dias em que vivemos, pode ter algumas explicações: 

- nos jogos da Taça entre clubes das ligas profissionais e Campeonato Portugal foi adaptado o protocolo da Liga que permite uma centena de pessoas no jogo. 

- nessa bancada estavam todos os jornalistas, mais câmaras e equipas de filmagem e técnicas, além dos staffs técnicos dos clubes e dirigentes.

- essa era a única bancada que estava aberta. 

Pedro Jorge da Cunha / na Cidade Desportiva de Paredes