A rede social Twitter decidiu esta sexta-feira suspender a conta do presidente incumbente dos Estados Unidos. A empresa afirma que está em risco o incitamento à violência por parte de Donald Trump.

A conta de Donald Trump apresenta neste momento apenas esta imagem.

A rede social informa que fez uma revisão de várias publicações de Donald Trump e do contexto em torno das mesmas. Em causa estarão várias partilhas relacionadas com a invasão de apoiantes do presidente ao Capitólio dos Estados Unidos, num ato que resultou em cinco mortes, e que obrigou vários congressistas a barricarem-se durante a sessão de confirmação de Joe Biden como o próximo presidente.

No contexto dos horríveis acontecimentos desta semana, tornámos claro na quarta-feira que violações adicionais das regras do Twitter podiam resultar neste tipo de ação", informa a nota da rede social.

O Twitter reconhece que uma das mais valias do seu serviço é contacto de contas de titulares de cargos públicos com o resto da população, mas deixa claro que essas personalidades não estão acima das regras e que "não podem usar o Twitter para incitar à violênica, entre outras coisas".

A empresa deixa claro que analisou o comportamento do presidente ao longo dos últimos dias, citando as duas seguintes publicações: "Os 75 milhões americanos que votaram em mim, AMÉRICA PRIMEIRO, e que que fizeram a AMÉRICA GRANDE NOVAMENTE, vão ter uma GRANDE VOZ  no futuro. Eles não serão desrespeitados ou tratados injustamente!!!"; "A todos os que pediram, eu não vou marcar presença na tomada de posse de 20 de janeiro".

Estas duas publicações, que foram feitas esta sexta-feira, 8 de janeiro, terão sido a gota de água para o Twitter, que ao longo do tempo decidiu apagar ou sinalizar vários dos tweets de Donald Trump, nomeadamente depois das eleições presidenciais, nas quais Joe Biden venceu, mas que o ainda presidente alega fraude.

Atendendo ao clima de tensão que se vive atualmente nos Estados Unidos, o Twitter entende que os dois tweets referidos podem servir de incitamento à violência.

A rede social explica que ambas as publicações foram testadas pela política de glorificação da violência, concluindo que estas podem inspirar outros a replicar atos violentos.

Como tal, a nossa determinação é de que os dois tweets podiam inspirar outros a replicar os violentos atos ocorridos a 6 de janeiro de 2021, e que existem múltiplos indicadores de que estão a ser vistos e entendidos como encorajamento a isso mesmo", conclui o Twitter.

Recorde-se que também o Facebook decidiu suspender a conta de Donald Trump pelo menos até 20 de janeiro. 

António Guimarães