O Facebook anunciou esta segunda-feira que optou por adiar, indeterminadamente, a ideia de criar uma versão da rede social Instagram orientada para menores de 13 anos designada “Instagram Kids”.

A decisão foi publicada pelo responsável pelo Instagram Adam Mosseri através de um vídeo partilhado no Twitter e de um comunicado.

Aparentemente, o anúncio surge como resposta ao criticismo de que o projeto tem sido alvo recentemente.

As opiniões negativas despoletaram após o Wall Street Journal ter publicado um relatório do próprio Facebook, que revela que a gigante norte-americana “tem conhecimento que o Instagram é tóxico para jovens adolescentes, sobretudo, do sexo feminino”.

Ainda assim, esta “pausa” pode não significar o fim do projeto. Adam Mosseri, responsável pelo Instagram, reafirmou que a empresa continua a acreditar que o “Instagram Kids” é o caminho certo.

Vamos usar este tempo para trabalhar com país, especialistas e legisladores para demonstrar o valor e necessidade deste produto”, explica Adam Mosseri.

O Instagram aproveitou ainda para reforçar a importância de desenvolver uma opção de controlo parental destinada aos adolescentes.

Acreditamos firmemente que é melhor os pais terem uma opção que permitia darem acesso aos filhos apenas a uma versão projetada para eles, onde os pais podem supervisionar e controlar a sua experiência”, acrescenta o responsável pelo Instagram.

As diferenças entra a versão original e o "Instagram Kids" prendem-se com o desenvolvimento de uma opção de controlo parental, onde os pais poderiam acompanhar e moldar a utilização digital dos filhos, e a inexistência de anúncios.

Segundo Mosseri, os progenitores poderão decidir quanto tempo os menores passam na aplicação, quem podem “seguir” e o que podem partilhar.

Nuno Mandeiro