Os efeitos das alterações climáticas podem causar deficiências psíquicas, defeitos de nascimento, obesidade, asma, depressão, entre outros, se não for feito nada para as combater. Esta é a conclusão de um estudo publicado esta quarta-feira na Austrália.

O trabalho da Aliança Australiana de Saúde Global (GHAA, na sigla em inglês) analisa os efeitos das alterações climáticas na saúde dos habitantes da Ásia Pacifico, especialmente nas zonas mais propensas a desastres naturais e onde a atividade agrícola foi afetada pelo calor intenso.

Os filhos das mulheres que sofreram danos, entre moderados e severos, por casos objetivamente avaliados e vinculados com as tempestades, sobretudo entre o primeiro e segundo trimestres de gravidez, perderam capacidade cognitiva”, revela o estudo, citado pela agência de notícias espanhola EFE.

De acordo com o estudo, isto manifesta-se aos dois anos com a perda de pelo menos 14 pontos de coeficiente intelectual, assim como menos vocabulário, enquanto a longo prazo a criança revela deficiências no processo de aprendizagem, obesidade e problemas mentais na adolescência.

O estudo também assinala que o aumento do calor pode produzir ou aumentar pandemias como o zika ou outras doenças transmitidas por mosquitos, e agravar outros problemas pela deterioração da qualidade do ar e da água, como a asma, as alergias, pneumonia ou diarreias.

Não se poderá beber das fontes de água. As mudanças climáticas foram inclusivamente relacionadas com a depressão”, revela a investigação, que realça os problemas de saúde mental originados pela escassez de recursos e pelos desastres naturais.

O aumento do nível do mar ou os desastres naturais poderão também reduzir a produção agrícola, o que poderá provocar problemas de malnutrição entre as populações vulneráveis, refere o estudo, que sublinha que colheitas de grãos, como o milho, trigo, arroz ou soja, cairão pelo menos 10% em 2050.

A investigação também destaca que o aumento das temperaturas provoca um maior absentismo laboral por stresse, o que, no caso da Austrália custa todos os anos cerca de 8.700 milhões de dólares australianos, quase 5.400 milhões de euros.

Num outro estudo publicado em 2017, a GHAA assegurava que em 2100 uma em cada três pessoas do planeta estará exposta a ondas de calor extremo suficientes para causar a morte.

A organização apresenta nova recomendações, entre reconhecer que as alterações climáticas têm impacto na saúde da população, capacitar os profissionais de saúde sobre estes efeitos e medidas para reduzir o impacto, entre outras.