O secretário de Estado do Ambiente, João Ataíde das Neves, apelou, esta terça-feira, ao empenho dos autarcas e portugueses em geral na promoção da qualidade do ar.

É com todos os autarcas que temos de trabalhar nesse sentido”, disse, na vila da Pampilhosa da Serra, onde presidiu ao encerramento de uma sessão pública sobre boas práticas para a promoção da qualidade do ar.

Para João Ataíde das Neves, “quando se fala de ambiente e qualidade do ar, não há fronteiras”, sendo este “um dos principais problemas ambientais na Europa”.

Ao saudar o presidente da Câmara Municipal da Pampilhosa da Serra, o social-democrata José Brito Dias, o secretário de Estado realçou que este município montanhoso do interior do distrito de Coimbra “é uma terra bonita e de bons ares”.

É preciso começarmos já, individualmente e em parceria”, a adotar “comportamentos e estilos de vida” que contribuam para a melhoria da qualidade do ar, em especial nas áreas urbanas e industrializadas”, defendeu.

Citando o secretário-geral das Nações Unidas, o português António Guterres, João Ataíde das Neves afirmou que o Dia Mundial do Ambiente, que se comemora na quarta-feira, “tem de ser todos os dias”.

Este ano, o Dia do Ambiente tem por tema a poluição do ar.

Iniciativa conjunta da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), a sessão de hoje incluiu a apresentação por Ana Teresa Peres, da APA, da campanha intitulada “Por um país com bom ar”.

No final dos trabalhos, o presidente da APA, Nuno Lacasta, referiu-se aos incêndios florestais que afetaram a Pampilhosa da Serra e dezenas de outros concelhos da região Centro, em 2017, afirmando que “a natureza está a recuperar, mas a mão humana trabalhou nesse sentido”, nos últimos dois anos.

O responsável disse que a campanha pela qualidade do ar em Portugal, lançada em abril, exige a participação de diferentes parceiros, sobretudo autarquias, sublinhando que essa iniciativa “veio para ficar”.

Também o autarca José Brito Dias realçou que importa “promover a qualidade do ar”.

Todos estamos preocupados com o futuro. Temos de começar a trabalhar ou, pelo menos, a continuar”, referiu.

O programa incluiu a assinatura de protocolos de colaboração entre a APA e 22 entidades: câmaras municipais de Oliveira do Hospital, Figueira da Foz, Arganil, Mortágua, Tábua, Penacova, Castelo Branco, Penela, Pampilhosa da Serra, Lousã, Tondela, Mira, Castanheira de Pera, Ílhavo, Coimbra, Oleiros, Fundão, Sertã e Gouveia, a Associação de Municípios da Região do Planalto Beirão, o Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro e o Instituto Politécnico de Coimbra.

Coube ao vice-presidente da CCDRC António Veiga Simão fazer uma apresentação sobre a qualidade do ar na região Centro.