A conta de Twitter de Steve Bannon foi suspensa permanentemente depois de ter publicado um vídeo onde o antigo estrategista-chefe da Casa Branca sugere que o epidemiologista Anthony Fauci e o diretor do FBI Christopher Wray deviam ser decapitados.

No seu podcast, The War Room, Steve Bannon é gravado a sugerir atos violentos contra Wray e contra o maior especialista norte-americano em doenças infecciosas. 

Quando Trump começar o segundo mandato, diz Bannon, “devia de começar por despedir Wray e Fauci… não, na verdade eu iria um passo mais à frente, mas o presidente é um homem bondoso”.

Eu gostava de voltar atrás e estar nos bons velhos tempos da Inglaterra durante a dinastia Tudor e pôr a cabeça deles em estacas" e colocá-las de "cada lado da Casa Branca como um aviso aos burocratas federais".

A conta @WarRoomPandemic, em homenagem ao podcast de Bannon, foi “permanentemente suspensa por violar as regras do Twitter, especialmente a política de glorificação de violência”, relatou a rede social em comunicado.

O YouTube retirou, pelas mesmas razões, o episódio do canal “Steve Bannon’s War Room”, que, no entanto, continua ativo e tem mais de 200.000 subscritores.

Continuaremos vigilantes na implementação das nossas políticas no período pós-eleitoral”, afirmou Alex Joseph, porta-voz do YouTube.

O canal não poderá publicar um novo vídeo por, pelo menos, uma semana, segundo a empresa.

Há uma crescente preocupação com o risco de violência durante as eleições nos Estados Unidos, que começaram esta terça-feira e que Bannon disse que Trump já venceu, embora ainda haja votos por contar.

As decisões das plataformas contra Bannon aconteceram horas depois de o Facebook ter proibido o “Stop the Steal”, um grupo envolvido na organização de protestos durante o fim de semana em todos os Estados Unidos contra a contagem dos votos presidenciais.

 

Numa publicação do grupo, partilhada pelo Centro para o Controlo do Ódio Digital declara que “nenhum lado vai abdicar da presidência. É o tempo de limpar as armas e de partir para as ruas.