A hipertensão altera a estrutura das artérias causando uma maior acumulação de colesterol LDL e um desenvolvimento mais rápido da aterosclerose, revela um estudo divulgado esta terça-feira.

O estudo, realizado por investigadores do Centro Nacional de Pesquisa Cardiovascular (CNIC) e da Universidade de Aarhus, na Dinamarca, e publicado no jornal The American College of Cardiology, aponta para uma ligação entre os fatores de risco mais sérios para a aterosclerose: o colesterol LDL, chamado o ‘colesterol mau’, e a hipertensão.

As conclusões do trabalho reforçam ainda a necessidade de controlar os níveis do colesterol LDL e da pressão arterial através de dietas saudáveis, o controlo do peso, o exercício físico e, se necessário, de medicamentos, noticia a agência EFE.

Pessoas com hipertensão apresentam normalmente alterações nas hormonas que controlam a pressão arterial, mas não era claro se a própria hipertensão ou as alterações hormonais são as principais razões para a aterosclerose, doença que se caracteriza pela acumulação de gorduras nas paredes das artérias e que pode dificultar o fluxo do sangue.

Com recurso a mini-porcos geneticamente modificados com níveis elevados de colesterol no sangue e a desenvolverem aterosclerose, os investigadores analisaram a relação entre a hipertensão e a aterosclerose.

Os mini-porcos possuem artérias muito semelhantes, na sua estrutura, às dos humanos, e, como os humanos, desenvolvem aterosclerose no coração, quando estão expostos a altos níveis de colesterol no sangue.

Devido ao facto do desenvolvimento dos primeiros estágios da doença ser assintomático, tal como nos humanos, as experiências puderam ser realizadas em mini-porcos, seguindo o padrão de bem-estar animal, acrescenta a CNIC no comunicado.

Ao manipular a pressão arterial e analisar os efeitos nas artérias do coração, os investigadores descobriram que a pressão direta nas artérias produz mudanças estruturais que potenciam o desenvolvimento da aterosclerose.

“As artérias ficam mais densas e permitem a passagem de menos moléculas do sangue, inclusive as partículas de LDL que carregam o colesterol, que acabam por se acumular na camada inferior das artérias, promovendo o desenvolvimento da aterosclerose”, explica o coordenador do estudo, Jacob Fog Bentzon.

Esta descoberta revela que “há uma relação próxima entre os fatores de risco mais importantes para a aterosclerose, colesterol LDL e hipertensão”.

Apesar de ser conhecido há décadas que a acumulação de partículas de LDL nas artérias leva à aterosclerose, a investigação mostra que a hipertensão acelera a acumulação de LDL e, portanto, agrava o efeito de ter níveis elevados de colesterol LDL no sangue.

Estes dados podem também abrir caminho para o desenvolvimento de terapias mais eficazes destinadas a neutralizar os efeitos prejudiciais da hipertensão na aterosclerose, concluíram os investigadores.

/ HCL