As plataformas de gelo que sustentam os dois principais glaciares da Antártida estão a sofrer rápidas transformações e o risco de colapso é cada vez maior.

O glaciar Pine Island e o glaciar Thwaites estão lado a lado, no Mar de Amundsen, e são os glaciares que mais transformações têm sofrido num curto espaço de tempo.

De acordo com a CNN, a velocidade a que derretem, por causa das alterações climáticas, já influenciou a subida do nível do mar em 5%.

Um estudo publicado na segunda-feira, na revista científica da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, concluiu que as bases dos glaciares estão a enfraquecer e que os danos verificados nas últimas décadas têm acelerado o recuo dos glaciares e podem conduzir ao seu colapso.

Um outro estudo, liderado por Stef Lhermitte, especialista em satélites da universidade técnica de Delft, nos Países Baixos, analisou o crescimento das áreas danificadas entre 1997 e 2019 através de dados de satélite. As imagens mostraram grandes fendas e fraturas nos glaciares.

"Sabíamos que os glaciares eram gigantes adormecidos e que estavam a perder muitos quilómetros (de gelo), mas até onde e quanto ainda permanece uma grande incerteza", afirmou Lhermitte, citado pela CNN. 

Essas plataformas de gelo estão na fase inicial de desintegração e estão a começar a despedaçar-se."

Os glaciares funcionam como artérias que fazem a ligação entre o manto de gelo da Antártida e o oceano. Na base dos glaciares existem plataformas de gelo, que impedem a circulação de gelo flutuante. Caso essa barreira se parta, derivado ao colapso dos glaciares, o nível do mar pode subir até 1,2 metros, segundo a NASA.

Redação / MS