Astrónomos de todo o mundo vão boicotar iniciativas nos Estados Unidos até que sejam levantadas as restrições à imigração de sete países islâmicos decididas pelo Presidente norte-americano, Donald Trump.

"Comprometemo-nos a não participar em conferências científicas nos Estados Unidos a que não possam ir todos, independentemente da sua nacionalidade ou religião", lê-se numa carta aberta divulgada esta sexta-feira na internet em https://www.science-undivided.org.

Os cientistas estão contra a decisão de proibir a entrada nos Estados Unidos a cidadãos do Irão, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria ou Iémen, assinalando que embora não sejam afetados diretamente, esta decisão "mina os alicerces" do trabalho científico.

"Apelamos ao Presidente dos Estados Unidos para que levante a proibição aos nossos colegas e retire esta barreira à ciência e colaboração internacionais", lê-se na carta, assinada até agora por mais de 350 cientistas.

A comunidade da astronomia "recusa ser dividida" e os signatários afirmam que, por uma questão de consciência, não podem "continuar a gozar de privilégios" de que outros "colegas, estudantes e professores estão arbitrariamente excluídos".

Donald Trump assinou a 27 de janeiro uma ordem executiva decretando as restrições de entrada nos Estados Unidos, argumentando que é necessário impedir a entrada de terroristas radicais islâmicos.

Redação / AR